3 tipos de pessoas podem se beneficiar com a música. Qual é o seu?

3 tipos de pessoas podem se beneficiar com a música

Lá no artigo meu “Por que os sucessos do momento incomodam tanto a gente” eu fiz uma breve homenagem ao Seu Moisés (veja a nossa foto lá!), que através do método de Pasquale Bona, me ensinou que “música é a arte de manifestar os diversos sentimentos da alma mediante o som”. Rapaz, pode acreditar: esse conceito eu não esqueço nunca mais! Muito obrigado mais uma vez, Seu Moisés (in memorian)!

Beleza, mas o que isso tem a ver com este artigo?

Tudo, ora! Bom, exceto pelo fato de você ser do tipo que não vivenciou nenhuma experiência especial (alegre, triste, emocionante, empolgante, engraçada, etc.) que foi marcada por uma música, seja na vida real, num filme, num desenho animado ou até mesmo em uma canção que seus pais cantarolavam quando você era bebê! A música tem o poder de marcar momentos e através dela você pode, não apenas regressar no tempo como também ter o seu humor diretamente alterado, de acordo com aquele conjunto de instrumentos e/ou vozes que tocam em determinada ocasião, seja ao vivo, seja através das mais variadas mídias que existem na atualidade.

A função da música

É por isso que a música é importante, não apenas nos momentos mais festivos e eufóricos, mas também naqueles que exigem mais reflexão e até mesmo onde o que impera é tristeza, pois ela simplesmente tem o papel de potencializar ou instigar ainda mais a emoção do momento através dos seus respectivos compassos, andamentos, intervalos, dos espaços preenchidos pelo som, ou simplesmente pela falta dele, afinal, a “respiração” (ou simplesmente a “pausa”) também faz parte da música. E aí? Respirou fundo agora, né?

Pois bem, dentro desse contexto existem 3 tipos de pessoas que podem beneficiadas pela música:

As que precisam de música

Ou até mesmo as que não sabem disso de forma consciente. Ora, a vida sem música é um erro e nós como seres sociáveis, precisamos de pessoas para celebrar os momentos felizes ou que sejam solidários a nós em momentos difíceis. O mais interessante é que essas pessoas não precisam necessariamente presentes de forma física e é aí que entra o segundo tipo de pessoa.

As que produzem música

São os cantores, os instrumentistas e os Disc Jockeys (ou simplesmente DJs). Esses profissionais têm o dom de (re)produzir músicas através dos seus dons vocais e motores um conjunto sensações e emoções através das melodias e ritmos que executam, tanto de forma individual como em grupo. Conforme falado antes, através do som reproduzido através das suas ferramentas de trabalho (voz, instrumentos ou demais acessórios) a emoção de quem está sob a influência da tal sonoridade pode ser incrivelmente potencializada. Note que eu não falei que a pessoa pode ter o seu humor alterado (embora até possa ser possível) e sim, potencializado, pois ao escutar determinada música, o ouvinte tende a achar que a música esta sendo solidária ele naquela situação pela qual ele está passando e isso possivelmente tende a ser amplificado com a ajuda do terceiro tipo de pessoa.

As que trabalham diretamente com quem produz música

São os profissionais de sonorização, iluminação, fotografia, design, artes plásticas, estúdios de gravação, etc. Eles praticamente não são percebidos pelo público, pois simplesmente estão nos bastidores de tudo aquilo que é visto e escutado. São eles que fazem a gravação, mixagem e masterização daquela música que você tanto adora ouvir; são eles que contribuem para a iluminação e/ou arte visual do palco, do CD/DVD/ Blue-Ray/ Sites / Páginas na Internet, etc.

Como deu pra ver, de uma forma ou de outra, a música faz parte da sua vida e se você se enquadra em qualquer um desses três tipos de pessoas que eu mencionei e quer a minha ajuda, basta entrar em contato comigo. Será uma honra poder contribuir com a realização do seu evento ou com a venda dos seus produtos e serviços, caso você seja um profissional ligado direta ou indiretamente à área musical. Clique aqui para saber mais e faça, que acontece!

add consultoria artistas

O que O Reinaldo tem a dizer sobre o curso Enfim, Desempregado:


Contribua com Rafael Freire

Os 4 posts mais visto até agora