3 Dicas para evitar maus pagadores

Prejuízo, engodo, enrolação, calote, pino…

Essas são algumas palavras que mais atormentam, desde os iniciantes aos mais experientes profissionais, sejam eles autônomos ou líderes de empresas mais consolidadas. Como minhas publicações são direcionadas aos incipientes (que possivelmente não dispõem de um departamento financeiro mais estruturado), apresento aqui três dicas para que você possa avaliar o grau de “confiabilidade” do seu (possível) cliente e assim, pelo menos reduzir as chances de se meter numa furada. Essas dicas são mais aplicáveis a prestadores de serviço.

Estrutura Física

Observe o ambiente de trabalho dele: uniforme da equipe (ele tem equipe? climatização/ventilação da empresa/escritório, higiene/iluminação do local de trabalho, móveis de escritório, etc. Isso demonstra a preocupação com a organização e a imagem que o cliente quer passar não só para você, mas para os próprios clientes dele.

Produto/Serviço

Avalie se o tal cliente possui alto fluxo de compradores, pois se você sentir que ele não tem poder de vendas, possivelmente ele não tem lucro e, se ele não tem lucro, possivelmente você será só mais uma vítima dos calotes dele.

O “Eu” do cliente

Seu cliente fala demais ou ouve demais? A conversa flui numa boa ou ele se posiciona como o cara que “manda”? Ele é benquisto, temido ou odiado pelos funcionários (desculpe o maquiavelismo!)? Avaliando isso, você pode detectar possíveis sinais de que ele não passa de um falastrão ou de um cordeiro bem intencionado, mas que infelizmente não tem como honrar os compromissos nos quais se mete. 

Se seu “desconfiômetro” acreditar que vale a pena fazer o projeto, mas sabe da possibilidade do não pagamento, peça adiantamento ou, se for o caso (e aqui entra a questão do tempo ser sinônimo de dinheiro), apresente o mesmo in loco, assim, se ele gostar, possivelmente ficará inquieto em querer comprar a sua ideia. Caso você trabalhe com atividades de cunho intelectual, evite mandar suas ideias por e-mail, a não ser que você tenha algum mecanismo que propiciem a proteção do seu trabalho, como marcas d’água, imagens e/ou vídeos em baixa resolução, slides fechados, toques sonoros, etc.

Conclusão

ad-ebook-edClaro que todos nós estamos sujeitos aos “pinos”, porém, se você é um freelancer ou profissional autônomo que está começando a enveredar para o ramo do empreendedorismo, tenha pelo menos a sensibilidade de saber aonde está pisando, pois se você sabe que a areia é movediça e ainda assim teima em andar com os dois pés sem medo sobre ela, tome cuidado: você pode se afundar, pois não é todo cliente que merece ser o seu (ou nosso) cliente!

Vale lembrar que você está sujeito a ter mostrar o seu trabalho para possíveis pagadores que não conhecem o seu serviço e por esse motivo vão hesitar na hora de contratá-lo. Por esse motivo, registre os seus trabalhos anteriores, monte seu portfólio,  filme-os, fotografe-os, peça depoimentos e colha os dados de seus clientes, coisas desse tipo servirão de  “degustação” para que seu  (futuro) comprador sinta o “gosto” do que você é capaz de fazer.

Para finalizar, comprometa-se sempre em fazer o melhor, estude, capacite-se, atualize-se, evolua… seu trabalho tenderá a ser desenvolvido com mais qualidade e, como consequência, tenderá a ser mais apreciado e valorizado. Agindo assim, você será digno de confiança e credibilidade e por isso, não tenha dúvida, os melhores clientes estão dispostos a pagar.

Faça, que acontece!

Gostou?

Os 5 posts mais vistos e que acho que você também pode gostar: